mais sustentabilidade

Reads: 59  | Likes: 0  | Shelves: 0  | Comments: 0

More Details
Status: Finished  |  Genre: Other  |  House: Booksie Classic


este livro, foi escrito por vontade própria não por influência de alguém como é de costume, mas por vontade própria em divulgar algo que pode vir a ser útil a sociedade, e que para isso se possa
ter uma perceção de que tudo não é obra do acaso mas sim, obra de outros autores onde muito políticos, e governantes bem como agentes económicos que seguem, a risca certos livros sem nunca por em
causa o conteúdo e o autor do livro por se tratar de alguém muito influente no mundo politico a nível internacional. foi mesmo isso que deu vontade de escrever, em contrapartida por vezes a critica
e observação de algo que foi levado demasiado a serio por muitos países, quer nas partes mais negativas, como nas partes mais positivas, tudo foi assim seguido, e onde muito raramente se aponta
consequências de toda esta leitura e consecutiva prática na vida social. esse livro pode ser lido, e adquirido em qualquer lugar que atenda esse tipo de serviços tais como bibliotecas e livrarias
ect…, esse livro foi o começo para todo o desenrolar deste mesmo ao qual me submeto a escrever o nome é , a globalização em «anàlise» geoeconomia e estratégia dos actores de jacques fontanel, é um
livro muito interessante, embora tenha muitas páginas, sendo de fácil leitura e interpretação, o que nos fara perceber, que quem nos lidera anda a fazer, e quais são os caminhos que eles seguem.
uma, segunda parte do livro que limita-se a minha visão, que eu tenho do futuro, novos métodos a serem usados em economia bem como nos trabalhos. bem como uma abordagem as energias renováveis e o
seus novos sistemas e o que elas vão ser capaz de impor as sociedades. contudo, tento escrever de uma maneira mais sucinta possível, simplificada e muitas vezes através de uso esquemático, de
maneira a ser o mais percetível possível a todos os leitores o que tal pode não acontecer, sendo a minha a intenção a melhoria de várias partes, dos sistemas em que sociedade se insere ou poderá
vir a inserir. explico mais uma vez não sou economista, isto é uma breve analise critica acerca da minha visão sobre que eu observo do mundo.

Submitted: November 19, 2017

A A A | A A A

Submitted: November 19, 2017

A A A

A A A


Este livro, foi escrito por vontade própria não por influência de alguém como é de costume, mas por vontade própria em divulgar algo que pode vir a ser útil a sociedade, e que para isso se possa ter uma perceção de que tudo não é obra do acaso mas sim, obra de outros autores onde muito políticos, e governantes bem como agentes económicos que seguem, a risca certos livros sem nunca por em causa o conteúdo e o autor do livro por se tratar de alguém muito influente no mundo politico a nível internacional. 
Foi mesmo isso que deu vontade de escrever, em contrapartida por vezes a critica e observação de algo que foi levado demasiado a serio por muitos países, quer nas partes mais negativas, como nas partes mais positivas, tudo foi assim seguido, e onde muito raramente se aponta consequências de toda esta leitura e consecutiva prática na vida social. 
Esse livro pode ser lido, e adquirido em qualquer lugar que atenda esse tipo de serviços tais como bibliotecas e livrarias ect…, esse livro foi o começo para todo o desenrolar deste mesmo ao qual me submeto a escrever o nome é , A GLOBALIZAÇÃO EM «ANÀLISE» Geoeconomia e estratégia dos actores de JACQUES FONTANEL, é um livro muito interessante, embora tenha muitas páginas, sendo de fácil leitura e interpretação, o que nos fara perceber,  que quem nos lidera anda a fazer, e quais são os caminhos que eles seguem.
Uma, segunda parte do livro que limita-se a minha visão, que eu tenho do futuro, novos métodos a serem usados em economia bem como nos trabalhos. Bem como uma abordagem as energias renováveis e o seus novos sistemas e o  que elas vão ser capaz de impor as sociedades.
Contudo, tento escrever de uma maneira mais sucinta possível, simplificada e muitas vezes através de uso esquemático, de maneira a ser o mais percetível possível a todos os leitores o que tal pode não acontecer, sendo a minha a intenção a melhoria de várias partes, dos sistemas em que sociedade se insere ou poderá vir a inserir. 
Explico mais uma vez não sou economista, isto é uma breve analise critica acerca da minha visão sobre que eu observo do mundo.

 

 

Crescimento, previsões, flutuações 
 
 O crescimento é sempre algo ambíguo, com a taxa de emprego a poder ser a resposta ao crescimento equilibrado, onde normalmente o estudo destas duas grandezas mostra os equilíbrios e os desequilíbrios que existem, e a tentativa de tudo, é com que ela atinga a harmonia. ( Diz-se isso) 
Contudo, o grande equilíbrio económico, só pode se fazer pela grandeza e força das nações e, em não ceder aos pactos e contratos que se estabeleceram, e só assim se conseguem atingir os grandes objetivos globais, de carater mercantilista, comercial e económico. 
Para que consegue- mos isso, precisamos passar primeiramente do particular para o geral, onde a primeira etapa, num órgão único ou região é o emprego de subsistência, qualidade de vida e crescimento do nível de vida. Necessitamos, assim do capitalismo e das suas fases de expansão, crescimento e estagnação para conseguir muitos dos objetivos sociais e pessoais, tal como um objeto nas mãos de uma criança pela primeira vez, parecendo mostrar grande utilidade, (quando se gosta) durante varias fazes da sua idade e até interagindo com outros objetos, e criando história, até que chega uma certa maturação e consecutiva rejeição e não necessidade.
Serão agora, os objetos outros ou estagnou mesmo. 
No entanto nesta sociedade de história, e de mercados onde o capitalismo está sempre presente e conectado a um conjunto de preços e de dependência dos mercados, e hoje em dia a resposta é cada vez mais rápida onde o sim e o não, são as resposta e o talvez já não existe, e o sistema de alerta tem que estar sempre a funcionar. 
Porque como já se viu, com a globalização, sem se estar em sintonia é cada vez mais fácil criar crise, nem que seja mesmo simulada e verdadeira ao mesmo tempo, resultante da matéria prima principal as pessoas e o seu grau de conhecimento e localização, (Qual é a Multinacional) , isto resposta ao baixos salários em alguns países e os empregos a curto prazo. 
Contudo, numa época de consumo onde as matérias primas continuam a ser necessárias, mas onde cada vez mais o fator humano é o principal. 
 
 
Pergunto-me varias vezes, se uma revolução das máquinas no sector industrial ligado a energias renováveis poderia estar cada vez mais associado ao capitalismo moderno. 
Prevendo-se empresas, com poucos funcionários ou mesmo nenhuns, podendo-se criar tudo em curtos prazos de tempo, com poucos defeitos ou mesmo nenhuns, sendo o longo prazo associado ao crescimento e afirmação da  empresa e da marca. Podendo esta mesma 

 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
empresa contribuir para fundos de desemprego, com ligações a recriação e lazer e desporto e convívio,  aparecendo assim um novo estilo de vida numa sociedade de novos valores e o surgimentos de nos atores, económicos, com sociais onde poderão representar um inicio de uma nova civilização, onde a estabilização da produção estará, a distância de um simples clique e devido ao alto desenvolvimento tecnológico nesta área, onde o fator mais interessante é a energia.
È preciso, é uma tomada de consciência global, que estes fatores existem e que tal surgimento de empresas é possível de aparecer, em qualquer parte do país bem com em qualquer lugar do mundo refiro-me a todos os sectores. 
Podendo vir o sector tecnológico, o sector de maior competitividade e de aumento de ritmo em relação ao desenvolvimento, nunca antes imaginável se isto acontecer, onde especulações do mercado financeiro serão cada vez maiores do mercado financeiro, e onde será cada vez mais difícil analisar, marcas e mercados de caracter tecnológicos visto, a constante competição e desafios. 
  Contudo o que se previa no entanto sedentário, quem sabe seja apenas um erro. 
Podiam os contratos de trabalhos, ser mais longos com a inserção de novas condutas ou clausulas, mediante a capacidade de resposta do entidade laboral em situações diferentes, quebrando também assim a monotonia dentro da mesma empresa. (Não queremos produzir excedentes) porque quanto à progressão na carreira já sabe como funciona.
(È tudo uma questão apenas de harmonia.) 
Bem como os contratos a curto prazo, podem fazer o mesmo, caso a entidade laboral ache que tenha mais aptidões para outra atividade. 
 
 
Técnicas de Crescimento
 
 Em novas técnicas de progresso, podendo cada vez mais as técnicas serem alteradas, por estruturas de crescimento, onde o capital e trabalho, e os fatores quantitativos e qualitativos, são a condição de premissas de crescimento, onde evolução a longo prazo fazem parte do crescimento. 
O ambiente, mais característico das estruturas económicas com todos os seus agentes são: o ambiente internacional e as suas estruturas e os especuladores e negociadores de intervenção de cenário, aliado sempre em prol do crescimento empresarial e internacional. 
Contudo o fator, industrialização, é a infraestrutura determinante, no crescimento onde é analisada e comparada com níveis de desenvolvimento em relação a outros países. 

 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
Podemos atualmente funcionar, com sectores de estudo, de tomada de consciência da influência e capacidade de agitação de mercado bem como do lugar que ocupa. Promovendo, estudos financeiros de consciencialização e demonstrando, a entidade empregadora os objetivos, a que se pretende alcançar de uma maneira generalizada, assim com o seu poderio no mercado externo, bem com as suas forças e fraquezas e o seu ritmo de crescimento e desenvolvimento. 
Potenciando, com isto uma resposta de produtividade de trabalho elevada continua mediante, acréscimos financeiros e necessidade de produção que poderão advertir daí. Criando assim, um ambiente benéfico para ambas as partes, onde a industria como entidade transformadora dará uma resposta mais eficaz ao mercado externo e ao mercado interno. 
A produtividade, é a resposta e a técnica e a qualidade de excelência é objetivo principal, onde podemos então, mais tarde aliados aos fatores quantitativos e qualitativos tudo se tornara mais competitivo e criar assim um ritmo de empresa multinacional, de resposta rápida onde, tem uma alta gama de oferta de elevado nível. 
Quanto ao sector agrícola, é o sector primário e o inicio de todos, como  todos sabemos, ocupando muitas das vezes a primeira posição, em muitos países em vias de desenvolvimento. Podemos considerar atualmente esta grande industria, como uma industria transformadora e competitiva com técnicas diferenciada até em terrenos suscetíveis, a sua realização, onde fator geografia e clima já não é mais um problema. 
Igualmente o fator energia, tudo pode ser deslocalizado, e utilizado ou recriado de diferentes formas e feitios, onde a uns anos atrás, o grau de proximidade de fontes de energia demonstravam o rápido crescimento e capacidade de superação de muitos problemas, agora cada vez é mais fácil a formação de capital em terreno alheio. Podendo algumas industrias só estarem dependentes ou não de matéria prima que é utilizada, mas com o surgimento de novas matérias e reutilização de matérias tudo é possível.
O único fator chave mais uma vez nos dias de hoje é o que advém do homem. 

 
 
 
 
 
 
 
 

 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
A pressão e o emprego e as novas tecnologias 
 
O crescimento, do emprego aumentaria provavelmente ao que parece surpreender, poderemos assim , exercer a nossa função como ser independente, trabalhando em casa, no nosso próprio escritório, criando navegando explorando, até atingir um raciocínio forte, capaz de ser levado ou enviado, ou mesmo apresentado a entidade patronal, via online, bem como todos os sócios e intervenientes na empresa. Podendo, ser objeto de cotação e de votação por parte de um conjunto, ou região ou mesmo a única entidade empregadora. 
Funcionando por metas, e objetivos na melhoramento, de um equipamento ou, mesmo contribuição para anexação de informação a já existente, sendo adquirida como um dado de possível realização futura. Poderá, quanto ao crescimento ou produção, passar, por uma primeira fase de analise, de mercado alvo de caracter minúsculo para a sua possível certificação. 
Onde, com os resultados postos numa base de dados, teremos valores aproximados de possível crescimento e dos fenómenos que ocorreram mais o menos a curto e a longo prazo, ficando o consumidor final, influenciado por uma serie de resultados de oferta de decisões de produção em massa, potenciando, assim a produtividade que é realmente importante onde, primeiramente será em mercados de menor expansão, passando mais tarde para os de maior de expansão e relevo e de banda de procura. Acelerando assim a reestruturação de pensamento para a o novo processo de incubação, até a ideia final. 
Contudo, este grau de raciocínio baseado em métodos de estatística de inserção de mercados e da simulação da produção em massa, diminui assim o grau de incertezas das empresas para assim, poderem jogar nos mercados por antecipação. 
 
 
Financiamento e crescimento pode ser isto verdade? 
 
Resultado de uma poupança de alguém, ou poupança essa que foi feita pelo banco aquando empréstimo, ou por alguém. Poupança ou fundo de poupança, pode ser o visar o investimento a um fundo de reserva pronto a ser acionado. Podendo esta mesma ser depositada, em bancos internos ou externos e ser possível de ser transferido para agregados familiares ou para outros investidores geralmente empresários(amigos). 
O papel dos intermediários, financeiros fazem estimular o crescimento e desenvolvimento e aposta em novos mercados, possíveis de ser cotados em bolsa. 
Por exemplo, dois países ou duas pessoas (sociedade) ou mais(FMI). 

 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
- Pode ter uma taxa de poupança?- Poupanças essas prontas a serem ativadas apesar terem sido taxadas no seu decurso até si por um outro fundo. 
 
 
 
 
 
Podemos ter um fundo que não é o fundo total ?
 
 
FMI (só vimos este) 
 
Reserva federal (taxas) 
 
 
 
 Exemplo: Caixote do lixo 
Quando se fala de pessoas, podemos dizer que temos taxas de poupança que nos foi atribuída devido aos nosso excedentes orçamentais, com isso nos temos poupanças, enviando para o fundo, constituindo uma criação monetária adicional. Podendo, vir a ter rendimento. 
No ambiente internacional foi utilizado assim e consecutivamente através deste método e das baixas e alterações de taxa deram-se crises em vários sectores. 
Agora imaginemos, este tipo de esquema, num pais  com menor grau de desenvolvimento, onde o grande Capitalismo, vai a procura da sua matéria prima e mão de obra, e onde a trocas comerciais e investimento , existem e o que poderá levar a um rumo para uma bolsa de mercado único e de um momento para o outro a uma quebra de uma das partes.
Já sabíamos, de onde viria a resposta para a solução . Baixar a taxa e consecutivo empréstimo a pais em questão. 
10 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
 
Empresas 
 
O crescimento e as relações económicas, devem ser de certa maneira livre e competitiva, podendo, de certo modo modificar a importância das instituições, e criando novas técnicas e sistemas de mercado. 
Gerando, novas empresas e novas dinâmicas, cortando de vez com o capitalismo familiar em certas empresas, onde estas muitas vezes constituem um travão no crescimento da entidade operadora e da sua ascensão, acabando muitas vezes com a competitividade interna, e mesmo com a evolução da empresa e diminuindo, assim a fomentação  crescimento, bem como o processo de interação de ideias.
Tudo isto, devido a ser um capital social familiar que atravessou varias eras, até ao nosso tempo, onde muitas das vezes é necessário quebrar barreiras e preconceitos e conseguir atribuir, as verdadeiras funções mediante as reais capacidades dos trabalhadores. 
Outro dos entraves, as empresas em crescimento no sistema económico é quando regimes políticos, se empregam no associativismo, a empresas privadas formando alianças e não deixando muitas organizações ou empresas (internas e externas), sequer se afirmar, bem como outras empresas externas ao pais se estender, e comercializar e conseguir obter uma cota de mercado, para que com isso seja possível a maior escolha opcional da oferta. Podemos atualmente, ver isso dos olhos do consumidor, como sendo algo positivo e favorável e de um pais desenvolvido em matéria de mercado. 
Podemos também, ser um país que aceite certas empresas de cariz internacional e a adotamos, como nosso professor e onde todas as outras já existentes no pais, se rodeia em torno dela caracterizando-se como um aprendiz, podendo na mesma as ligações do estado ao sector a que esta se localiza ser uma mais valia, na inclusão e favorecimento, desde que estas, tenham cariz inovador, ( passa-mos aqui a disfarçar o óbvio) nunca quebrando a ética concebida pelo sector empresarial apresentada no europa 2020. 
Tornando-se assim, tudo mais um motivo de inovação, exploração, acreditação e desenvolvimento. 
Temos que aceitar esta intrusão como algo que nos pode modificar internamente, vendo isto como uma mais valia, indispensável a manutenção das taxas de desenvolvimento e crescimento no país, sendo este novo sistema de troca de valores, e conceitos uma forma de globalização. 
 
Significando, assim uma troca de valores não é que os outros sistemas de valores, não seja aceite tal como o é o conceito tradicional de empresas. Mas que, cada vez precisamos de respostas mais rápida, parecendo quase uma fração de instantes, onde o amadorismo, já 
11 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
não preenche lugar, agora trata-se de amor a empresa e o local de trabalho, é preciso sentir, e preciso viver a empresa, em todos os sentidos, ou se gosta do que faz e se faz com dedicação, ou não somos competitivos nem merecedores do lugar ,criando assim, as chamadas mutações económicas e sociais, associadas cada vez mais ao conjunto de hiperligações que se fazem entre entidades, de caracter publico e privado, escolas e universidades, centros de investigação e centros de investimento. Isto, tudo cada vez mais articulado, num só propósito, a resposta ao mercado e a sociedade e a muitos seres humanos, com sentido ao equilíbrio. 
Onde cada vez mais, a necessidade de investimento em departamentos de analise de dados bem como área investigação cientifica e cultural e social, onde cada vez mais o conceito do ser humano, como num jogo de puzzle, se vai vendo os graus de felicidade de cada habitante e a satisfação na sua vida quotidiana. (não vamos criar um circo por cidade para alegrar o povo) Mas é necessário sentir-se bem e realizado pelo menos 60% do seu dia-dia que é o emprego. 
 
 
Como cresceremos 
 
Dependemos atualmente de vários fatores que vai desde dos setores primários, secundários, terciários. 
Como são dependentes, faz-nos pensar , será que isto algum dia vai mudar? 
Eu penso que sim que vai acabar por poder alternar ou até quem sabe depender de um único setor futuramente. Atualmente são dados, viciados que não se podem largar.( aparentemente). 
Onde  uma modificação ou alteração num sector poderá alterar vários processos e técnicas, criando um tipo de sub- economia diferente, que fomenta desenvolvimento.(pondera-se sempre o desenvolvimento para alguns como de costume). 
Visto, que os progressos técnicos estão cada vez mais disponíveis, e acessíveis, isto devido a cada vez maior divulgação pelos meios de comunicação e internet, e onde há cada vez mais a maior troca de informação, e movimentos de capitais a um velocidade flash, criando assim modificações necessárias e interconexões entre mercados que são mantidos  a um ritmo como eu já falei anteriormente.
Atualizando, assim os mercados e os capitais de investimento entre países de desenvolvidos e em vias de desenvolvimento. (crise vai e bem e tudo volta ao seu lugar) 
 
12 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
 
Economia global
 
Na história do mercado global, da nova economia  e da globalização, atualmente é concretizada por empresas que dispõe, noutros países onde encontram por norma mão de obra mais barata e onde todo o processo acontece até atingir  o valor salarial do ocidente. Ou nunca acontecer que é o mais certo, ou ser  gradual ao longo de décadas. 
A globalização, do meu ponto de vista é um pretexto para que multinacionais, possam interferir em mercados fora de porta, isto porque, sabemos que há muita coisa e muita outras coisas que diferem. Por mais que acreditamos, que os nossos governantes pensem que isto é capaz de funcionar . Porque, se observa-mos o mundo  visto de um satélite é minúsculo, e a América vista da estratosfera é minúscula, e Los Angeles vista da atmosfera é minúscula e a rua onde vivo, vista de um arranha céus continua a ser minúscula.
O que eu quero dizer, é que há sempre mais coisas onde focar e se desviarmos o olhar apareceram logo mais outras, neste mundo existem sempre muitos agentes da vida social e todos com interesses e objetivos diferentes. No entanto ,o ocidente atinge níveis de vida, que não são capazes em muitas partes do mundo. 
Esta é a meta que muitos países subdesenvolvidos pretendem atingir, entrando assim a globalização com fase de pretexto para os pais entrarem por vezes em mercados quase impossíveis, onde os contraste ideológicos, são muitos bem como a cultura e as organizações, onde tudo isto é um entrave a esta globalização de investimento feito por grandes multinacionais. 
Existem, contudo casos de sucesso como Taiwan e a Coreia do Sul, onde grande infraestruturas foram criadas e muitas aldeias se transformaram em autênticas joias da industria e emprego, e onde grande parte dos habitantes abandonaram a agricultura. Procurando, agora uma vida melhor no sector industrial, mas no entanto as lacunas entre ricos e pobre aumentou apesar e tudo
Tudo isto, porque as grande empresas ocidentais, não conseguem operar globalmente ao nível de salários, bem com nas condições de trabalho. 
 
 
 
 
 
13 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
Como é crescimento sustentável global 
 
Se é que se posso por este titulo parecendo para mim muito difícil falar devido as economias regionais e nacionais de cada pais. 
Planos, há bastantes nesse caminho no mundo do mercado único e os mecanismos estão ai para ajudar a fortalecer com é o FMI. 
Que permite, um crescimento rápido e flexível expondo as suas propostas e contrapartidas a cada país que queira entrar ou necessite. No entanto falamos disto quando vemos, ainda países como a  índia com uma taxa de crescimento de 10% em duas décadas, quando o ocidente já está com um crescimento a 30% acima do limiar de pobreza e a restante bem abaixo, outro é o continente africano com índice de crescimento a 10 % a quinze anos sendo cinquenta vezes inferior ao ocidente. 
- Isto significa que não estamos todos ao mesmo nível, é um começo que poderá ser sempre negado devido ao fator região. 
- Embora a potenciação a inovação o crescimento seja a imagem de marca da globalização. 
- A tecnologia é a arma para o desenvolvimento, onde é sempre preciso um grau de formação inicial para que tal aconteça. 
Estes três elementos referidos nestes pontos leva muita nação a não aderir. 
 
Onde o auge deste desenvolvimento e afirmação de processo de mundialização baseia o processo de produtividade de mercado de stocks igual ao nível zero - bem com zero atrasos, zero defeitos . 
 
 
 

 
 
 
 
14 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
Parece, que neste contexto devido a ser o maiores impulsionadores deste processo todo, só a América e o Japão, serem capazes de conseguir tudo isto. 
 
 
Mais oh menos assim… 
 
Como todos sabemos, a economia e as empresas devem ser mais competitivas para que com isso possa atrair investimento estrangeiro. 
Contudo a eficácia, económica de uma nação por vários níveis de formação académica, quer uns financiados pelo estado ou outros mais de caracter privado, contendo sempre politicas progressistas de evolução inovação ect… 
Aliados a um processo pós formação, onde os baixos salários imperam no mercado de trabalho, o que leva a um desinteresse para integração no mesmo, criando assim o estado , um formula inicial para desenvolvimento de pobreza ( falo de Portugal). 
Quanto as capacidades produtivas de alguns indivíduos tem alguma formula, duvidosa bem como todos os rendimentos que daí advém, e consequentes declarações, claro que com isto podemos também falar de uma distorção de  informação e desvio de empregos por partes de muitas entidades empregadoras em prol de conhecidos e amigos bem como tal sistema, que também tem vindo a funcionar nos centros de emprego onde é muitas das vezes mais conhecido como resíduo de empregos, (e mesmo esse por vezes desviado). 
A porta aberta, do sector privado onde o  tal publico no inicio de carreira é sempre uma porta aberta, onde o ambiente  cada vez mais para o familiar e tradicional reina e onde para muitos, alheios a esses  motivos  são visto como  entraves, funcionando também os baixos salários e a exploração, sendo a passagem para o outro nível. Contudo  o papel do estado neste estado inicial, é senão a criação de bairros e combate a droga, e o não a exclusão social o slogan da sua campanha. 
Arranjando todos os anos, um porta voz da esperança uma pessoa que através do sucesso escolar, ou investigação cientifica,  conseguiu os seus objetivos, servindo como o exemplo de cidadãos a ter em conta, devido a maneira como triunfaram na vida, claro sendo tudo isto exposto na imprensa de maneira a ter o maior impacto possível na sociedade juvenil para que quem veja tente de algum modo seguir este exemplo.(questões de propaganda nacional estatal ligada ao alto sector empresarial, como quem diz precisamos de mais matéria.) 
Fico, todos os anos a espera de mais um fenómeno em Portugal . 
15 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
No estado de juventude em 2017-10-27, estamos no mundo em que o sistema bancário, e além, das exigências das entidades patronais onde, bem mais para assustar, enganar e manipular. 
Contudo, o estado exerce um papel significativo visto não ser discutível, no que toca a segurança das pessoas. Não há argumentos, estamos mesmos seguros, apesar de apontarem numa direção, inversa a sociedade em segurança esta lá. 
 
 
Porque será tudo isto? 
 
 
Parece-me fácil, tal como na escola primaria a professora pregunta ao aluno x e o respetivo aluno, presente, (incluído o dia de teste). 
Quanto as multinacionais, e ao sistema de integração, e a maneira ardilosa como se insere e negoceia com órgãos do estado, como é o caso da Ford, General Motors, Ect… criando sempre um sistema de são parte integrante da economia do país, onde por vezes são uma boa parte do PIB e outras das vezes nem sequer são cotadas em bolsa, sendo todas elas ameaçadoras, quando a parte da ameaça é retirar-se quando se trata querer que o mundo gire para o lado que elas querem ,e se trate de um país que é impotente a tudo isto, transformando alguns seres numa espécie de bonecos (não quero citar nomes). 
 
 
Coisas que já escrevi 
 
Acho que já escrevi sobre isto, mas continuo a achar sempre que devo acrescentar qualquer coisas. 
A liberalização do comercio, e o investimento e consecutivo crescimento económico, é normal em alguns países asiáticos e está a acontecer em países tais como as Filipinas, Coreia do Sul, onde empresas como a  Nike se instalaram e aí criaram economia, globalizando-se. 
Isto é mais uma noção de que o capitalismo pode ser credível, e feliz pelo mundo fora, com comportamentos, nem sempre dos melhores, mas que as intenções estão lá bem como as ideias estão no sitio mas em muitos casos, as matérias não estão. 
- Depende a globalização de quais empresas? E quais os ramos que se pretende estabelecer? E quais são as trocas? 
16 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
Pode esta destruir o ambiente, bem como mudar os nossos hábitos e cultura visto grande parte destas industrias são de um grande impacto. 
- Impacto esse, ambiental, aquando o consumo de matérias primas e elevado aumento de poluição química e riscos industriais, como poluição do ar bem, como produção de gases poluentes, parecendo irreversível para algumas superpotências continuar a aumentar a temperatura 2º a 10º por década.
SERÀ UM BOM ESTUDO DA ECOLOGIA QUE FAZ PARTE DA GLOBALIZAÇÃO?
 
Crises (apontamentos) 
 
- A depreciação da moeda e a e fracasso da politica cambial. 
- Diminuição das reservas e consequente vulnerabilidade do banco central. Esgota as reservas / Pode a reserva apoiar-se sobre futuro patriomonio e riqueza a explorar. 
 
- Mercado privado- capaz de fornecer créditos necessários para enfrentar dividas. 
- Especuladores, compram ativos, a preço e obtém capital a curto prazo 
- A verdadeira crise do moralismo que não dá para emprestar não tem fundos nem garantias. 
- Maior taxa de juro perante uma solução de liquidez em caso de bancarrota a liquidez não consegue suportar a sua divida. Liquidação, forçada do seu mutante a taxa x  com prazos e prazos e taxas acordados ( não inflacionáveis caso não aconteça nada ao credor . Exemplo: Deutsbank (Europa)) 
 
Deutshbank vs Reserva Federal Americana 
 
 
- Fundos de poupança a taxa 0 
- Maior numero de pessoas grau de especulação máximo 
Grupos económicos americanos entram para financiar ainda mais o fundo com empréstimos noutro pais que não o seu . 

17 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
 
Crise imobiliária e fim do financiamento
 
Mais uma vez, os agentes especuladores tomam conta do cenário - reduzem -se os ganhos, e consecutiva queda e destabilização da economia não há mais liquidez. 
O desmoronamento esta próximo, absorção total do banco credor por parte do outro banco, com utilização dos fundos de reservas.
Com este cenário, tudo entra em jogo desde ONU-FMI- Reserva Federal e assim mais um golpe em direção ao aproveitamento e a globalização.
 
 
Publicidade 
 
Cada vez vemos mais publicidade em massa, com tão pouca informação, onde a imagem e o cenário é o principal objetivo, tendo mercados competitivos como garantia. 
Podemos nós esta prestes assistir a uma publicidade sem informação onde, dar nome ou informar de onde se localiza, estagnaria a competitividade.
Como por exemplo, o vinho sem rotulo, mas com uma garrafa com um design divinal , sendo a qualidade do vinho associado aquela garrafa envolta em mistério, e procura e de grande qualidade. ( onde todos saberíamos que o vinho é com certeza bom). 
 Por exemplo atualmente muitas marcas são de uma determinada região, ou mesmo lugar especifico, ou tem o nome de uma pessoa importante justicando assim a escolha mais, pelo o local onde foi fabricado.  Se o vinho não informa-se de onde vinha provavelmente não teria tamanha afluência. 
Contudo sou um apoiante da garrafa como imagem, deixando o mistério no ar, e tendo o selo de garantia de quem o vende consolide que seja galardoado e que era feito das melhores uvas, competindo assim com todos mas ao mesmo tempo com nenhum devido a não ser tão comparado, devido a escassez de informação. 
Concordo mais com esse tipo de economia de informação nas vendas de coisas que são de fabrico em massa ou em segunda mão onde concordo que toda a informação e especificações são necessárias, acreditando assim consumidores, onde os fatores qualidades, são base das informações descritas, como um dado adquirido desde logo. 
 
18 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
 
 
Banco móvel 

Já não existe nada de novo mesmo, o desconhecido em pouco tempo torna-se conhecido ao ponto de chegar a ser saturado pela própria sociedade. 
Sociedade esta interligada cheia de conexão e sub- conexões. 
Por exemplo: os bancos podem ter caracter centralizado, e sedes ,mas de um momento para o outro pode ser o poder ser descentralizado, sem que as pessoas notem, apostando temporariamente em pessoas e cidades(territórios), que lhe possam vir a ser mais uteis.
Podendo mesmo vir a ser mais flexíveis em outras partes do mundo usando assim este sistema, como inserção de bancos de financiamento privado, de intervenção social, criando sub-redes, criando vários agentes intervenientes sociais mais ativos, e apostando nos mais diferentes setores. 
 
Será que tem lógica 
 
Devido aos mercados nos dias de hoje basearem-se sempre na mesma coisa e mais do mesmo, este dia estive a pensar enquanto metia gasóleo no meu carro, se não devia ser o próprio posto de combustível, quer através de um sistema de pontos ou de um sistema de vendas de compra indireta ser ela a fornecer-nos o carro, através de um contracto que fizéssemos fosse ele anual ou por pontos.
Nessa ideia surgiu a energia tais como a eletricidade, gaz. 
Será que isto trazeria melhoria de vida e crescimento independentemente do vinculo de contrato que fizéssemos. 
Aumentaria o consumo de derivados de matérias primas, para que possam todos eles atingir uma fase seguinte.
Não é nada de novo, visto que no sector das águas e saneamento já é assim por isso é só pensar num todo. 
 
 
 
19 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
Reversão atual 
 
Novos salários nos empregos, principalmente nos trabalhos de carácter mais árduo, tudo isto devido ao fator necessidade, e escassez de mão de obra, contudo certos salários poderão vir a ser ajustáveis com salários mais altos exercido por profissões onde brachelato é necessário, estabelecendo assim um equilíbrio de montante de salários na sociedade diminuindo a discrepância. 
Por exemplo, os fatores humanos ligados a medicina tem sido de momento um dos desequilíbrios e das profissões onde se ganha mais em prol de homem mais saudável, e onde a partir desta quase que vai ajustamdo-o sobre o ponto de vista salarial os outros empregos . 
Mas, no entanto, a pouca variação salarial ira atingir alguns equilíbrios em alguns setores, tal  como já falei a uns momentos atrás. 
Isso é o que acontece em matéria prima e na escassez de algumas onde, a oferta e a procura anda sempre juntas e variam mediante a oferta, como é o caso da água e dos diamantes, tudo tem o seu lugar, e o seu sentido. 
Agora, resta saber-nos, como seres cada vez mais intelectuais, sabem o valor que realmente estamos dispostos a pagar pelas coisas.
Poderá o mesmo produto um dia, ser variável de preço consoante os salários ganhos, pelas pessoas? ( sujeito a uma inflação mediante)
Podendo ter uma espécie de tabela e um limite de consumo a ser exercido e tabelado . 
Onde os excedentes de quase tudo em certos aspectos poderá ele volta de nova a entrar na linha de consumo, em prefeito estado. 
Poderá o futuro um dia dizer-nos tudo isto se é possível. 
 
Economia ambiental e novas energias 
 
A economia ambiental, pode ser modelada, a partir da perspetiva económica, como base nas teorias de mercados e de determinação de preços em contexto ambiental, também em relação a poluição como, a utilização de novas energias, podendo vir a ser equacionadas com isto novas soluções e novos problemas, quer na regulação ambiental quer no comando e controle tudo como assentando, sobre instrumentos econômicos se sociais, bem como a 
20 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
sua eficiência e custo onde podemos analisa-los através de modelos matemáticos que são desenvolvidos para estabelecer o controle.
Uma das ferramentas para que tal suceda pode ser o planejamento ambiental iniciado por uma profunda investigação sobre a avaliação de risco e análise custo-benefício, estima-se, no entanto, que esse beneficio tenha uma valoração contingente de abordagem sobre o que se gasta. 
A qualidade do ar, em geral e um processo de estabelecimento padrão, onde já se trataram varias implementações politicas a esse respeito. E onde, já ouve varias discussões acerca dos efeitos smog, outro caso é a água e os seus problemas de contaminação bem como em casos de água subterrâneas quanto das águas superficiais, e as políticas especificas para fontes pontuais  e não pontais de poluição. 
O caso dos resíduos sólidos, ou substâncias tóxicas bem como uso de pesticidas, e outras substancias tóxicas, também é um caso a estudar devido, a gestão de risco do escoamento de resíduos perigosos a controvérsia dos Superfundos, passando pelo controle e analise municipal bem como o seu futuro uso e custo benéfico. 
 
 
Energias renováveis tributações 
 
As energias renováveis podem estudar-se, segundo múltiplas dimensões com é exemplo impacto do sistema de tributações, tipo de produção e o motivo de fomento e incentivo por parte dos governos através de gastos, ou construir uma fonte de redução tributaria sobre os impostos de quem produz energias. 
O tipo de atividade económica depende do modo de atividade exercida, pelo homem e os impostos serão submetidos mediante as suas ações.
Exemplo de impostos: 
?  Imposto nível nacional 
? Imposto sociedades 
? Imposto sobre pessoas
? Imposto valor adicionado ect… 
 
 
21 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
Imposto nível nacional
 
As cotações sociais, e os impostos sobre a folha de pagamento, especificamente para financiamento do sistema da segurança social, conformam como uma das figuras de maior peso. 
Em termos de politica económica, a redução de cotações sociais e empresariais e o incremento de imposição indireta permanece como uma de das principais propostas para melhorar o funcionamento dos mercados de trabalho, como por exemplo a redução de impostos sobre a renda, cobriria as cotações sociais, e simultaneamente a incrementação dos impostos de componente meio ambiental. 
O impacto das energias renováveis, e a cotações sociais produzem uma via de criação de emprego, e incremento de cotas, viriam a ser pagas aos empregados. 
 
Imposto sociedades 
 
O imposto de sociedades, tem como perspetiva a politica fiscal justificada por três tipos de argumentos: para corrigir a existência de mercados ineficientes, e para fomentar a inversão produtiva e a competitividade, o que incentivava a realização de atividades privadas de interesse geral. Estes exercícios fiscais iriam incidir inicialmente sobre a dedução o meio ambiental do solo contaminado bem como correção do impacto das exploração dos solos, e recuperação e redução de resíduos industriais bem como taxas sobre a poluição atmosférica, atingindo também todos tipos de transportes que pusessem em causa o meio ambiente , todas esta medidas, resultam num incentivo para aplicação e utilização de energias renováveis, tais com o bom aproveitamento do sol e sua transformação em  calor e eletricidade e utilização de resíduos sólidos suburbanos ou de biomassa, na transformação de calor e eletricidade e cultivos. Havendo contudo isto benefícios fiscais quem leva-se essas tarefas . 
 
Imposto sobre a pessoas 
 
Para o incentivo do uso de energia renováveis e a imposição sobre o legislador, tanto ao nível estatal como autónomo. Ou seja a introdução de um imposto de deduções aplicáveis, a um quota que faz parte do imposta que cabe a assinalar sobre a renda das pessoas físicas. 
22 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
Melhorando assim, a eficiência energética a higiene a saúde a proteção e o meio ambiente e a boa e correta utilização  das energias renováveis e a possível  substituição das antigas energias pelas novas. Podendo este imposto divergir de região para região. 
 
 
Imposto de valor adicionado 

Este tipo de imposto, visa impulsionar a recuperação económica e fomentar emprego. Bem, como obra de reabilitação energética e a redução de excedentes de energia nas edificação bem, como o melhor comportamento energético das próprias edificações . 
 
Fiscalidade sobre energias renováveis 
 
As vezes a insuficiência financeira e as fazendas locais municipais  ou próximos de fontes de instalações de energias renováveis, consistem numa enorme fonte de inspiração e propagação dessas energias. 
Podendo, vir a ser figuras tributárias quer pela sua instalação, aderência e exploração, recaindo sobre elas um imposto sobre as atividades económicas realizadas. 
Os impostos sobre os imoveis, tem características especiais , visto que incluem e estão destinados a produção de energia elétrica . 
O imposto sobre atividades económicas, afeta o tipo de instalações é imposto direto e agrava o mero exercício empresarial. É uma atividade de produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis sujeita a si mesmo. 
Imposto sobre construções, instalações e obras podem ter carater rustico ( parques energéticos verdes) e estão sujeitos a um imposto sobre as construções e obras aquando a sua realização e instalação bem como o pagamento extra de licenças. 
As taxas e contribuições especiais, os municípios podem cobrar, distintamente a prestação de serviços mediante a proximidade de instalações de energias renováveis e o seu caracter, podendo mesmo serem atribuídas taxas diferentes para as industrias bem como para o consumo da população em geral, possibilitando assim uma maior opção e escolha e concorrência de preços. 
 
Emprego 
23 
 
 
TIAGO DINIS | MAIS SUSTENTABILIDADE, … 
 
 
O numero de emprego, segundo o  programa das nações unidas do meio ambiente o numero de empregos, em energias renováveis era de 2.3 milhões de postos de trabalho aproximadamente. 
Mais recentemente, no ano de 2011, e conforme a agência internacional e energia renovável estimava-se um crescimento do sector  elétrico com o do biogás incluído de 1.3 milhões de postos de trabalho em 2004 a 3.5 milhões em 2010 nível mundial. 
 
Coesão territorial 
 
A criação de emprego tem uma grande importância para a economia tal como a  criação de novos postos de trabalho. Sendo fator qualidade, o elemento chave para a coesão social e principal fonte de movimentação 
Nesta área o emprego considera-se emprego com qualidade devido ao nível salarial bem como o das funções desempenhadas e possibilidade de crescer na carreira, sendo considerado um emprego de qualidade 
? O nível de qualificação e de  31% no quadros de ordem superior e de 24% a nível técnico. 
? Distribuído por áreas o emprego, gerado por energias renováveis, que se centram principalmente na fabricação e instalação, operação e mantimento bem como existindo alguns postos de inovação. 
? O salario médio do setor é de 52% mais elevado que o do resto da economia e 37% mais do que o setor industrial
? Este emprego é criado geralmente maioritariamente, para media e alta qualificação de estudos. 
? Atualmente o impacto educacional nesta matéria tem sido significativo em relação as qualificações bem como o trabalho em projetos deste âmbito. 
 
Para finalizar as energias renováveis, realizam uma forte relação de coesão territorial, e normalmente se distribuem os empregos pelas zonas do sector, centrando-se na criação de atividade económica e emprego no âmbito rural de abastecimento de energia em torno de uma baixa densidade populacional e dispersão do território. 
Zonas históricas?


© Copyright 2018 Tiago Dinis. All rights reserved.

Add Your Comments:

Booksie 2018 Poetry Contest

Booksie Popular Content

Other Content by Tiago Dinis

mais sustentabilidade

Business Writing / Other

Popular Tags