Fumo

Article by: InesGTF

Summary

Perfil de alguém com muitas histórias para contar.

Content

Submitted: February 27, 2013

A A A | A A A

Content

Submitted: February 27, 2013

A A A

A A A


 

Antes de se ver o homem, vê-se o fumo. Antes de se ver o fumo, sente-se o cheiro das castanhas que estão a ser assadas. À medida que nos aproximamos, começa a tornar-se mais nítida a imagem anteriormente esfumaçada de quem está atrás do fogareiro. O homem relativamente baixo, atarracado devido à idade, cansado devido ao trabalho de quase sessenta anos.

Quem passa pela Praça oito de Maio vê Fernando Pereira a vender castanhas. Com as mãos negras de cinza, cumprimenta com um sorriso as pessoas que passam pela banca. Quem passa não vê mais do que o sorriso. Passam apressados, cumprimentam por boa-educação, pedem uma dúzia de castanhas, pagam o valor correspondente, agradecem e afastam-se. Na despedida recebem o mesmo sorriso que no cumprimento.

Nunca vêem mais do que o sorriso. Nunca poderiam imaginar os lugares onde Fernando já exerceu a sua actividade. Já percorreu o país. Já dele saiu. Começou pelo Porto. Foi lá que com dez anos, por conta de outrem, começou a vender. Não tinha dinheiro, mas não queria ficar ali. Trabalhou durante um ano, juntou o dinheiro que precisava e com onze anos foi para Lisboa.

De olhos fixos no horizonte inspirou e concentrou-se, como se o que fosse contar a seguir fosse difícil ou comprometedor e no mesmo tom simpático e bem-humorado com que sempre fala disse “podia contar-lhe cada história sobre a venda das castanhas… Olhe que até já estive escondido debaixo das saias de uma mulher!“

Foi na cidade de Lisboa, quando tinha onze anos, que se deu a situação mais caricata que se lembra da sua vida profissional e, com ajuda da sua esposa que actualmente, em Coimbra, com ele trabalha, explicou-ma.

“Foi em Lisboa”, começou, sendo imediatamente interrompido por Maria (a sua esposa) que continuou a descrição do cómico momento “Ele era pequenito… A polícia andava atrás dos vendedores, não era? E ele, coitadito, devia parecer assustado e desorientado então uma varina disse-lhe «ó miudito vem aqui. Põe-te debaixo da minha saia.»”. A polícia apareceu a perguntar por um miúdo que andava ali nas redondezas a vender castanhas e a senhora que o tinha escondido respondeu-lhes “não, eu não sei de nada. Não vi miúdo nenhum”, enquanto o senhor Fernando, com onze anos, se escondia sob as suas saias. Depois da descrição que a esposa me fez enquanto ele vendia algumas dúzias de castanhas (sempre com o ouvido atento ao que me estava a ser dito), o senhor Fernando ainda me explicou que a situação se deu no Terreiro do Paço, mas que andava sempre de um lado para o outro. Muitas vezes estava em Lisboa de manhã, depois apanhava o barco, ia para Almada e ao final do dia, muitas vezes, fazia o caminho inverso.

Esteve também na Guiné. Foi vender castanhas para o hospital militar por volta de 1967, dois anos depois de ter ido à tropa. Deram-lhe autorização para assar lá as castanhas e ele assim fez, normalmente sempre para os mesmos duzentos homens com quem costumava conviver.

 

De volta a Coimbra, alegra-o o facto de ver que, apesar da actividade que exerce tender a desaparecer, existem pessoas, sobretudo os estrangeiros (espanhóis, franceses, ingleses e italianos, na sua maioria) admiram a forma como faz o seu trabalho. No seu país de origem as castanhas assadas na rua ficam “todas pretas” (como explicou o senhor Fernando) e eles conseguem dar-lhes um tom tostado, mais acastanhado com algumas zonas mais cinzentas devido à cinza. Sempre com melhor aspecto do que aquelas a que se habituaram no seu país de origem.

Enquanto conversávamos passou um indivíduo, a pouco mais de três metros do lugar em que nos encontrávamos que olhava curioso para o senhor que assava as castanhas. Olhou também para elas, dir-se-ia que para comprar uma dúzia mas acabou por passar ao lado, olhar para Fernando Pereira com reconhecimento no olhar, assentir com a cabeça em forma de cumprimento e seguir o seu caminho. A maioria das pessoas, se não tiver vontade de comprar castanhas nem sequer repara na pessoa que as está a assar, sempre de sorriso nos lábios, cinza nas mãos, envolto em fumo. Quem por ali passa, antes de ver o homem, vê o fumo. Ninguém imagina as histórias que aquele fumo, se falasse, teria para contar. 


© Copyright 2016 InesGTF. All rights reserved.

Fumo Fumo

Status: Finished

Genre: Other

Houses:

Details

Status: Finished

Genre: Other

Houses:

Summary

Perfil de alguém com muitas histórias para contar.
Share :
Twitter

Add Your Comments:

Other Content by InesGTF

Booksie Popular Content

Genres & Types

Add picture

Paste the link to picture in the entry below:

— or —

Drag a picture from your file manager into this box,
or click to select.

Add video

Paste the link to Youtube video in the following entry:

Existing Comments:
Bad selection

Cannot annotate a non-flat selection. Make sure your selection starts and ends within the same node.

(example of bad selection): This is bold text and this is normal text.
(example of good selection): This is bold text and this is normal text.
Bad selection

An annotation cannot contain another annotation.

Anonymous
Really delete this comment?
Anonymous
Really delete this comment?

There was an error uploading your file.


    
Anonymous